Cinebiografia – A vida e a música de Elvis Presley chega ao cinema

O jovem ator Austin Butler que revive Elvis Presley no cinema nem havia nascido quando o cantor morreu em 1977

A vida e a música do lendário Elvis Presley, o Rei do Rock, chega às telas de cinema do Shopping Piracicaba através de uma cinebiografia protagonizada pelo jovem ator Austin Butler, que nem havia nascido quando o cantor morreu em 1977. Para reviver Elvis , Austin ensaiou durante um ano para imitar a voz aveludada do cantor. O filme retrata ao longo de 20 anos, o início, a glória e a decadência de Elvis em meio a sua tumultuada relação com seu empresário,, o coronel Tom Parker, vivido de forma brilhante por Tom Hanks. O longa leva a assinatura do diretor australiano Baz Luhrmann, conhecido por seus filmes luxuosos, como o aclamado “Moulin Rouge”. Junto com “Elvis” chega também a pré-estreia de “O Telefone Preto”, novo e aterrorizante filme do aclamado diretor Scott Derrickson.

O FILME — Com pouco mais de duas horas e meia de duração, esta cinebiografia musical explora a vida e a música de Elvis, aclamado como o Rei do Rock e um dos ícones culturais mais significativos do século XX. Ele morreu de uma parada cardíaca por conta do excesso de remédios e álcool, em 16 de agosto de 1997, aos 42 anos. Ao longo do filme, a vida e carreira de Elvis é vista através do prisma de sua complicada relação com seu controlador e enigmático empresário , o coronel Tom Parker, interpretado de forma brilhante por Tom Hanks. A história mergulha na dinâmica entre Presley e Parker ao longo de 20 anos, desde a ascensão de Presley à fama até seu estrelato sem precedentes, tendo como pano de fundo a paisagem cultural em evolução e a perda da inocência na América. No centro dessa jornada está uma das pessoas mais importantes e influentes na vida de Elvis, Priscilla Presley, sua esposa de 1967 até 1973, quando se divorciaram. Além de Austin Butler e Tom Hanks nos papéis centrais, o elenco tem também Olivia Dejonge no papel de Priscilla |Presley e Chaydon Jay como o jovem Elvis. Aparecem também Richard Roxburgh e Helen Thomson como os pais de Elvis, Vernon e Gladys. O diretor Baz Luhrmann é bem conhecido por seus belos filmes, como “Romeu + Julieta”, uma versão moderna da tragédia romântica de Shakespeare, o aclamado musical vencedor do Oscar “Moulin Rouge” e a nova versão de “O Grande Gatsby”, luxuosa produção adaptada do romance de F. Scott Fitzgerald.

DOCUMENTÁRIOS– Além desta cinebiografia que chega agora às telas, Elvis Presley já teve dois documentários de longa-metragem lançados no cinema nos anos 70. O primeiro foi “Elvis é Assim” (Elvis – That’s the Way It is/1970), dirigido por Denis Sanders e reunindo flashs da carreira de Elvis, entrevista com fãs do cantor e o show que assinalou a sua volta aos palcos, após 13 anos de ausência, realizado no International Hotel, de Las Vegas, a 10 de agosto de 1970. O segundo documentário foi “Elvis Triunfal” (Elvis on Tour/1973), dirigido por Pierre Adidge e Robert Abel, focalizando uma tournée do ídolo através de várias cidades norte-americanas.

O TELEFONE PRETO — Com estreia nacional programada para o próximo dia 21, chega antes em nossas telas, em pré ́-estreia, este novo filme de terror classificado pela crítica como assustador e angustiante. Na trama, depois de ser sequestrado por um sádico assassino de crianças (Ethan Hawke) e ficar trancado em um porão à prova de som, um menino de 13 anos (Mason Thames) começa a receber ligações das vítimas anteriores do assassino em um telefone desconectado que está na parede do porão. O que elas querem é evitar que o menino sofra o mesmo destino que tiveram.O filme é dirigido pelo mesmo e experiente Scott Derrickson de filmes assustadores como “O Exorcismo de Emily Rose” e “A E#ntidade”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima