Angústia (V) Freud

Em Freud a “angústia é a angústia da castração”. Para o psicanalista Jorge Forbes “a castração é a solução da angústia”. Ambas as assertivas são coerentes. Se uma afirma onde está a fonte da angústia, a outra aponta como cessá-la, são complementares.

Até a obra ‘Inibição, sintoma e angústia’ (Freud, 1925) a angústia era vista como consequência do processo de recalque, que todos nós em dado momento vivenciamos para tornar possível a vida social. É nela que Freud passa a enxergar a angústia como precipitadora do recalque. É, portanto, uma inversão de sentido, um marco em sua visão sobre a angústia.

No Complexo de Édipo, emblemático da angústia já que a castração surge com vigor ainda em tenra idade, o menino (mesmo ainda bebê) tem de escolher entre a mãe e perder seu pênis, ou preservá-lo e perder sua mãe, objeto de seu desejo. Essa angústia só pode surgir pela dimensão da lei encarnada na figura do pai, o que lhe interdita o acesso livre.

Importante ressaltar que a sociedade globalizada perdeu esse norteador. A função paterna, tão presente e reguladora para a criança ter limites claros está em queda vertiginosa. Nunca tal função ficou sem qualquer expressão ou poder como nos dias atuais.

Se antes a função paterna precipitava a angústia, sua ausência atualmente deixa a todos ‘desbussolados’, termo cunhado por Forbes.

Fonte: www.jorgeforbes.com.br/

“Um charuto, as vezes é apenas um charuto.” (Sigmund Freud)

 

Estou divorciada há três anos após 16 de casada; ele mentia e bebia muito. Agora sempre desconfio de segundas intenções dos homens, depois me arrependo. Quero me envolver, mas não deixo a coisa fluir. Conheci uma pessoa do virtual pessoalmente só uma vez. Foi muito bom, mantemos contato via WhatsApp, já cobrei por que ele não me liga, já fiz cena por estar de bate-papo num site, e o clima já está pesado. Como melhorar esse ciúme e insegurança? Não encontro alguém que seja leal, honesto e sincero tal como sou. Será isso que me atrapalha?

Solange.

Antes de tudo é preciso considerar que essa diferença na escala de valores entre as pessoas sempre existirá. Por mais que alguém se aproxime de seu jeito, algo vai ser diferente, e lidar com isso denota a maturidade de ambos. Mas se sua expectativa é achar um idêntico ou quase isso, sempre se frustrará.

Outro ponto é sua experiência com seu ex-marido, que lhe marcou negativamente. Apesar de compreensível, reage trabalhando contra você mesma. Para se ganhar confiança com outras pessoas é preciso antes dotar-se da convicção de estar confiante. Tudo que é verdadeiro e autêntico, antes acontece internamente em nós.

Seus princípios de vida e na intensidade que os vive não podem se impor ao outro. Para que possa obter de alguém o que espera é preciso deixar que a pessoa se mostre, se apresente. Depois decidir se é aquela pessoa ou não. Ninguém muda ninguém.

 

Leitor: Opine, critique, sugira temas nesse espaço. Use até 200 toques. Sigilo absoluto.

Blog:  http://pedrogobett.blogspot.com/

Facebook: fb.com/psicopontocom

E-mail: [email protected]

Correspondência: Praça José Bonifácio, 799

13.400-340 – Piracicaba/SP – (19) 99497-9430

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima