Ninguém prospera com Débitos

Já era madrugada e ao entrar no quarto observei um casal de gaivotas em cima da cama. Olhavam fixamente nos meus olhos. Olhei para a janela e estava fechada e pensei, como entraram aqui. Sorriram e me disseram. Querido irmão, estamos aqui pela Colônia Manto da Luz em mais um trabalho socorrista. Telas se abrem e um grupo de Espíritos iluminados chegam e trazem informações do que se passa nas profundezas do mundo oceânico. Chegamos a um cenário de tempos antigos, gemia o mar e as ondas atiravam suas águas que cobriam as pedras como um lençol. Um pássaro simpático se aproximou e disse. Siga-me e vamos mergulhar pelas profundezas do oceano. Tudo se estendia a visão e contemplei aquela extensão. Ondas atingiam alturas espantosas. Deslizamos sobre as águas e, repentinamente mergulhamos e já estávamos às profundezas. Notei que, de repente, tudo se tornara sereno e calmo. A distância, pareceu-me divisar, uma enorme sombra de um navio encalhado. E de fato, era uma embarcação lembrando a pirataria. Entramos e vimos alguns espíritos por ali. O cozinheiro do navio continuava cozinhando e alguns marinheiros lavavam o barco e o capitão com vestimenta de pirata dava ordens. E o pássaro falou. Eles não sabem que já morreram e que agora são apenas espíritos. A vida existe em toda a parte. Expressão de Deus, e em Sua Infinita Bondade e em Sua Suprema Inteligência.
E assim, o pensamento vagava na contemplação da água luminosa. E de repente, vi que o pássaro falava com o Capitão. Ele era bem esclarecido e dizia. Senhores, aqui estou há mais de quatrocentos anos. Recebi ordens para zelar por esta embarcação e os seus tripulantes. O pássaro disse de maneira delicada. Alguns tripulantes olharam e pararam de trabalhar e passaram a prestar a atenção. E disse, como sabe que está aqui há quatrocentos anos? O Capitão, surpreendido, gaguejou e disse. Não sei, o tempo passou, sei lá e não compreendo, mas sei que não morri. Foi quando o pássaro se aproveitou da confusão do marinheiro e disse. Vocês são Almas imortais. O Capitão cessou de falar e ficou estarrecido e com os seus olhos parados. O pássaro sorriu e lhe disse. Amanhã, voltaremos. Enquanto isso, vai pensando e poderá vir conosco. E com licença e permissão, saímos do barco. Senti uma pressão em meus olhos, pois a massa de água marítima irradiava Luz de todas as cores em trilhões de partículas. Eu me sentia mergulhado naquele oceano multicolorido, que mais parecia estar em uma mata coberta de vagalumes, sob o céu estrelado. E uma grande Luz tomou conta de todos e quando me dei por conta, já estava no Lar terreno.
Amados e queridos leitores. Talvez, a madrugada seja para pensar e não para dormir. Você pode tudo, menos desistir. Se a paz não fizer parte de tuas atitudes, dificilmente fará parte da tua vida. Quem olha apenas para o que falta, na falta permanece. Ninguém prospera com débitos. Um dos maiores segredos da Existência está em fazer degraus com as pedras que tropeçamos. E finalizamos refletindo sobre os ensinamentos de Lao-Tsé – “A alma não tem segredo que o comportamento não revele”, “O sábio pode descobrir o mundo sem transpor a sua porta. Vê sem olhar, realiza sem agir”, “Sem passar da porta de casa, é possível saber o que acontece no mundo. Quanto mais longe se busca o saber, menos se aprende” e “O rio atinge seus objetivos porque aprendeu a contornar obstáculos”. Enfim, um coração grato é como um imã para atrair milagres. A coragem para concluir ciclos é o que faz a vida andar para frente. E com a amada, querida e estimada Alma gêmea, nossa eterna gratidão. Bom dia e boas energias. Eu acredito em você.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima