A importância dos servidores públicos

Pedro Kawai

 

A Constituição de 1988 eliminou a expressão funcionário público e adotou a palavra servidor, termo mais adequado à sua nobre função: servir. Apesar disso, ficou enraizada na sociedade, o conceito preconcebido, de que esses trabalhadores, que exercem suas funções em órgãos públicos, são lentos, burocratas e pouco empenhados.
Talvez seja inveja de quem tenta ingressar no setor público, por meio de concursos, mas não consegue, ou quem sabe, possa ser apenas ignorância mesmo.
A semana que se encerrou nos trouxe de volta, à reflexão, a importância do trabalho realizado pelos servidores públicos de Piracicaba, mais especificamente, da Prefeitura e da Câmara Municipal. Acompanhamos, de perto, o movimento de greve em defesa da justa reivindicação da categoria, pela reposição de suas perdas salariais. Também observamos a intransigência do governo municipal, que até o momento, não deu sinais de reconhecer que a cidade só funciona, graças ao trabalho desses homens e mulheres que se dedicam a servir à população.
Diferentemente da Câmara Municipal, cujo presidente, seu vice e vários vereadores, entre os quais me incluo, estiveram ao lado dos trabalhadores e trabalhadoras, o Chefe do Executivo sequer se deu ao trabalho de dialogar. Perdeu a preciosa oportunidade de ouvir, de aprender a exercer liderança, de ser empático. Enfim, desperdiçou a chance de tentar ser admirado.
Acredito que o que está em jogo, nessa disputa entre “patrão e empregado”, não são apenas os 21% de reposição das perdas salariais, mas a dignidade dos nossos servidores e a importância de cada uma das funções exercidas, para manter a cidade em funcionamento.
Para tornar-se um servidor público é preciso ter conhecimento, prestar concursos, muitas vezes mais disputados do que vagas das melhores universidades do país e, ainda, ter desempenho suficiente para ser passar pelo estágio probatório, um período em que suas competências, habilidades e atitudes são avaliadas para consolidar a efetivação no cargo.
Ser um servidor público é ter resiliência. É saber compreender o desconhecimento e até mesmo, as atitudes desrespeitosas de cidadãos que, às vezes, revoltados com os gestores públicos, descarregam sua ira sobre esses trabalhadores que atravessam mandatos, que se adaptam a estilos e aos mais diferentes perfis de chefias, a cada quatro anos, no mínimo.
O exercício das funções desempenhadas pelos servidores públicos, garante que os nossos filhos sejam educados e bem cuidados nas unidades de ensino, que se alimentem, que tenhamos atendimento gratuito de saúde, que possamos ter segurança, trânsito bem sinalizado, ruas limpas, água tratada, acesso a ações culturais, esportivas etc. E não para por aqui, pois igualmente importantes, são os servidores do judiciário e do legislativo, que garantem uma sociedade equilibrada, justa e organizada.
E é importante esclarecer, que apoiar os trabalhadores do setor público não me coloca à esquerda ou à direita, mas sim, do lado certo da história: o lado de quem trabalha para servir ao público e não, servir-se dele, embora a maior parte das regras possui exceções.
Nossa história está repleta de personagens notáveis que foram servidores. Boa parte desses exemplos vem da literatura, com Machado de Assis, Graciliano Ramos, Carlos Drummond de Andrade, Guimarães Rosa, Cecília Meireles e, a já saudosa, Lygia Fagundes Telles, falecida dias atrás. Mas também há incontáveis heróis anônimos que, mesmo por dever de ofício, colocam suas vidas a serviço das nossas.
Reconhecimento a esses profissionais se faz no dia a dia, não apenas em 28 de outubro. Portanto, muito obrigado, servidores!

___

Pedro Kawai, vereador pelo PSDB.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima