Punho de ferro

Walter Leandro Guarda

“Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem”. Com esta frase de Rosa Luxemburgo( filósofa e economista marxista polaco-alemã), convoco à reflexão crítica dos processos sociais, onde a luta permanente faz-se necessário para rever a conjuntura atual do funcionalismo público piracicabano. No dia 03/04/22, em entrevista ao Jornal de Piracicaba, o prefeito Luciano Almeida retornou a afirmar o reajuste salarial oferecido (de modo extenso) como o maior em 20 anos e que repõe as perdas dos períodos de 2019, 2020 e 2021 (onde por lei federal houve congelamento dos salários dos servidores).
Na segunda feira (4), de modo intransigente e enviando mandatários ao diálogo nas negociações, em que alguns vereadores e dois deputados fora tentar alguma aproximação de acordo, pode-se perceber novamente o punho de ferro do governo em questão. Outro fato interessante é a forma tida “profética” ou de “ameaça”, que afirma categoricamente que “os servidores também podem ser prejudicados, já que sentença do STF determina que sejam descontados os dias da paralisação, caso a greve seja considerada ilegal e abusiva […] e que a gente possa voltar à normalidade, oferecendo atendimento a toda a população de Piracicaba”.
Com certeza, a normalidade dos serviços públicos precisa ser reestabelecida, mas primeiramente a valorização do funcionalismo público é a questão da greve, não somente a reposição das perdas inflacionárias. Pois é fato, que não há diálogo diretamente com o prefeito, só com representantes sem poder de veto, a semelhança dos senhores feudais em estado de guerra.
O gestor público usa-se da mídia para tentar um posicionamento com a população, desmerecendo a atuação do sindicato, trazendo um discurso esvaziado de sentido, onde trata o funcionário público como “grevista” ou como algumas pessoas, ignorantes nos fatos das últimas três semanas, tratam os servidores como vagabundos, perpetuando uma cultura negativa e de desvalorização existente. Respeito e dignidade não são só palavras que servem para campanha política, mas devem ser colocados em prática, senão vira demagogia.
contrato com a OSS (se tiverem a oportunidade dê um passeio na UPA do Piracicamirim), o envio do carnê do IPTU 2022 (de modo atrasado, talvez nos últimos 20 anos, provocando um caos no dia 15 de março no pátio da prefeitura, em que houve fila de idosos para solicitar a via do carnê), sem contar as praças com descuido de limpeza, a “bela” malha asfáltica da cidade e o superávit positivo no orçamento municipal eA população também vem sofrendo com o atual mandato, haja vistas contrato absurdos de iluminação de natal,m 2021.
_____
Walter Leandro Guarda, servidor público e estudante de História da UNISA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima