Planeta Terra: nossa casa, nosso chão…

José F. Höfling

 

Descaso à vista e negligência constante em relação ao chão que pisamos e dele retiramos a nossa sobrevivência e do resto que aqui habita, como animais e plantas. Esse parece ser mais um assunto negligenciado que se não atentarmos para a sua importância, mais uma vez nós ficaremos reféns de suas consequências, as quais já se faz sentir e, diga-se de passagem, não será algo que possamos consertar, retardar ou mesmo “curar” à semelhança das doenças como endemias, pandemias etc., as quais temos satisfatoriamente conseguido “debelar” e acudir a tempo de não nos dizimarmos como espécie e demais seres que habitam este planeta… ou seja, para isso “não tem vacina”, portanto, as consequências do não cuidado com a nossa moradia, com a nossa casa que habitamos e dela tiramos o nosso sustento, ou seja a vida total como a conhecemos, poderá nos colocar em situações catastróficas e de necessidades prementes das quais não seremos hábeis de controlar e resgatar a médio e longo prazo. Poderá levar décadas e até centenas de anos para que possamos ter a nossa vida como tal de volta, mesmo que sob “outras circunstâncias” que, com certeza, não será mais a mesma coisa. O grande exemplo que temos a nossa frente em relação a esse assunto, é a Amazônia, o espelho por onde podemos enxergar e entender esse assunto e dele tirar os nossos ensinamentos daquilo que podemos ou não fazer… Rios poluídos, mares sufocados por quantidades imensuráveis de dejetos como plástico, poluição do ar, no qual são lançados imensas quantidades de gazes tóxicos, acúmulo de lixo por todo o lado, sem nenhum interesse em seu tratamento, expondo a vida deste planeta e de seus viventes à doenças várias, etc. tem sido a norma. Então o que podemos fazer? Quem são os responsáveis por toda essa negligência e falta de entendimento do tamanho de uma “cratera”, buraco no qual seremos colocados…
Tem gente que acredita que para produzir, precisa destruir a natureza. Tem gente que acha que precisa parar de produzir para não destruir a floresta. E tem gente que “aprendeu”, principalmente com os “nativos e a ciência” que podemos conviver mutuamente sem destruir os nossos recursos naturais… Muitas são as histórias a respeito de viver e crescer que promovem equilíbrio entre as pessoas e a natureza, histórias de uma Amazônia que não precisa desmatar para crescer. Mas e daí? É preciso entender que como seres individuais temos a nossa cota de responsabilidade, fazendo tudo que é possível para não poluir, derrubar matas sem necessidade e ser solidário aos grupos afetos a esses assuntos que se expõem e lutam por nós… mas não podemos esquecer que somos seres Sociais que vivem em Sociedade sob o manto de governos que “supostamente cuidam do povo”, eleitos por nós através do voto numa sociedade democrática…Quando acertamos “escolhendo” alguém que nos guie e nos eleve como sociedade, através do apoio ao trabalhador, cuidados com a economia e atos voltados para o bem da população, conseguimos ter um pequeno avanço social em relação ao respeito humano no que lhe concerne, diminuindo a pobreza e cuidando da economia para o bem geral, etc. Mas de vez em quando “pisamos na bola” optando por um governante sem escrúpulos, cheio de falácias fantasiosas e mentirosas, racista e destruidor daquilo que já se havia tido um ganho na sociedade por governos anteriores, ou seja, voltado ao descuido, descaso, social e econômico, alheio aos valores individuais de cada um, retrógado, não respeitoso com os princípios outros e voltado aos anseios de meia dúzia que querem enriquecer a todo custo, não importando de que forma isso se dará porque ficar rico é seu intento…logo, isso promoverá um atraso social em vários aspectos, particularmente no que diz respeito ao aspecto social, ambiental e econômico que temos que levar em conta para as próximas eleições ficando alerta às supostas “verdades” sob a égide de fake news e “supostos projetos Sociais” que jamais serão cumpridos…Assim urge termos governantes que estejam atentos a tudo isso, trabalhando para o bem das futuras gerações que serão os verdadeiros “herdeiros” de uma sociedade melhor; ou “pior”, se for motivo de descaso de líderes incompetentes e nada afetos à natureza desse País e do resto Planeta. Não porque não entendem o significado disso, mas porque o “ignoram” em detrimento do lucro criminoso e “apadrinhamento” de meia dúzia de inconscientes do mal que promovem pensando somente em si, e não na sociedade como um todo. Tudo que fizermos à Terra recairá sobre nós se não agora, num futuro próximo… O amor e respeito à Terra deve ser a nossa meta maior! Bem na Hora do Planeta 2022!
———
José F. Höfling, professor da FOP/Unicamp, Doutor em Microbiologia e Imunologia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima