Existe vampirismo sexual?

Alvaro Vargas

 

A origem da palavra vampiro surgiu das lendas que existiam na Transilvânia no início do século XVIII, referindo-se a uma figura que sugava o sangue dos seres vivos. No Espiritismo, esse termo tem sido utilizado analogamente para designar os espíritos obsessores que absorvem as energias vitais das suas vítimas encarnadas. Como a morte biológica apenas liberta a alma do seu envoltório físico, regressamos ao mundo espiritual com as virtudes e vícios que cultivamos na Terra. Para aqueles viciados na sexolatria, pode ocorrer durante certo tempo, até se libertarem dos condicionamentos mentais negativos, mantenham, nas regiões no Umbral, o mesmo vício que detinham na Terra, em cumplicidade com os seres encarnados que desfrutam dessas sensações perturbadoras. De acordo com Allan Kardec, “esses espíritos vulgares podem se imiscuir em nossos prazeres porque estão incessantemente ao nosso redor, tomando parte ativamente naquilo que realizamos, segundo a faixa vibratória onde nos encontramos” (Livro dos Espíritos, questão 567). Na visão de Herculano Pires, “o vampirismo transformou-se em uma endemia planetária” (Vampirismo, cap. X).

Para desvios sexuais como a compulsão sexual ou ninfomania, sempre existe a atuação deletéria dos espíritos obsessores. Divaldo Franco (Sexo e Consciência, cap. 4, Luiz F. Lopes), cita a perturbação de uma senhora que traía o esposo com vários parceiros sexuais. Tratava-se de um drama obsessivo, em que o espírito pervertido lhe sugava o plasma psíquico no momento de maior intimidade com o esposo, e ela ficava frustrada por não atingir o orgasmo, vivenciando uma volúpia semelhante ao vício alcoólico. Quanto mais se entregava, pior ficava. Ao perder a dignidade perante a si mesma, odiava-se, conforme era o desejo do obsessor, inimigo de existência pretérita, que arquitetara o seu suicídio ou ser assassinada pelo marido. Felizmente, após o tratamento bioenergético com passes e a desobssesão em um centro espírita, ela reequilibrou-se, vivendo em harmonia com o esposo que lhe perdoou os deslises. O vampirismo sexual também pode provocar o fenômeno conhecido como “homossexualismo adquirido”, o qual difere da homossexualidade estabelecida por uma programação reencarnatória. Nesse caso, quando o homem ou a mulher abusam de sua sexualidade, podem necessitar de uma reencarnação expiatória em corpo físico de polaridade sexual oposta, para reeducar os seus sentimentos. Na homossexualidade adquirida, existem várias causas, como os abusos na infância, alcoolismo e drogas aditivas. Entretanto, na opinião de Herculano Pires (Mediunidade, cap. VIII), o principal motivo é a atuação obsessiva de entidades espirituais animalescas, entregues a instintos inferiores. Para ele, a psiquiatria materialista, impotente diante da enxurrada desses casos e incapaz de perceber a relevância da ação parasitária desses vampiros, estimula as vítimas no desgaste desesperado de suas energias vitais, o que favorece esse processo obsessivo.

Possuímos o livre arbítrio e podemos estabelecer ligações mentais conforme os nossos interesses e ideais. Entretanto, uma vez criada uma ponte mental, somos conduzidos pelos nossos “convidados”, tanto para ações nobres como para os vícios, que atuam conforme o nível evolutivo em que se situam. No caso do vampirismo sexual, as vítimas tornam-se obcecados pelo sexo desvairado. A cura é possível desde que exista um interesse real do obsediado, que em algumas situações, se compraz com esse parasitismo doentio, convidando insistentemente o vampiro. Ambos, obsessor espiritual e indivíduo encarnado, são enfermos morais que necessitam de assistência para se libertarem. O obsessor pode ser esclarecido através da desobsessão e seguir um novo rumo, e a vítima, conscientizada da necessidade de realizar a sua transformação moral, ao mudar de conduta, cria uma barreira mental contra as influências espirituais inferiores, se libertando de novas parasitoses do além.

_____

Alvaro Vargas, engenheiro agrônomo, Ph.D, presidente da USE-Piracicaba, palestrante e radialista espírita

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima