Prosa e Verso – Edição 1000

É pique, é pique, é pique, é pique, é pique!

Vivaaaa!!!

Mil edições! Vinte anos de muita prosa e muita poesia!

 

Tantos escritores que passaram por estas páginas nestes vinte anos e viraram saudade…

Lino Vitti, Ludovico da Silva, Virginia Pratta Gregolin, Maria Cecília Bonachella, Patrícia Neme,  Maria Emília Redi, Ana Marly Jacobino, Maria Helena Bueloni, Ruth Assunção, Geraldo França (Voinho), Rosaly de Almeida Leme, Adriano Nogueira, Antonieta Rosalina Losso Pedroso, Antonio Cocenza, Erasto da Fonseca, Fernando Ferraz de Arruda, Guilherme Vitti, Hugo Carradore, Ilze Munia Correa, Marina Rolim, Mario Evangelista, Marlene Cassab, Miguel Gonzales, Maria Nazareth Furlan de Camargo, Olênio Sacconi, Elias Salum, Sylvio Arzolla, Gustavo Alvim, Pedro Caldari, Claudio Costa, Maria de Fatima Rodrigues, Vilma Ducatti e tantos outros…

 

Palavras de Ludovico da Silva por ocasião das quinhentas edições da Prosa&Verso:

“Prosa & Verso atinge hoje o expressivo número de quinhentas edições semanais ininterruptas, registrado em seu décimo primeiro ano dedicado a divulgar a literatura, sobretudo, a produção de autores piracicabanos.

Primeiro, em três colunas de alto a baixo, aos poucos foi se firmando como uma seção que estava não apenas concentrada em assunto importante para os escritores piracicabanos, como, principalmente, pela simpática acolhida junto aos leitores. Daí ampliada para uma página inteira, com espaço generoso propiciado pela A Tribuna Piracicabana.

Inicialmente, esta página divulgava as atividades do Grupo Oficina Literária de Piracicaba, como justificativa à proposta de seus integrantes, mas aos poucos houve a necessidade de ampliar seus objetivos, para acolher merecidas colaborações.

Quinhentas edições não deixam de ser um número apreciável de publicações e seus produtores têm procurado sempre ter como meta contribuir com o que de melhor possa valorizar as atividades literárias locais, sobretudo, oferecendo espaço a todos que se enveredam pela arte de escrever. Difícil chegar à perfeição, mas nem por isso se justifica afastamento dos objetivos visados. As críticas são bem vindas. Se contrárias ao que é feito servem como observações à melhoria de conteúdo. Se favoráveis são incentivos ao prosseguimento de uma tarefa baseada nas boas intenções.

Nesta oportunidade cabem sinceros agradecimentos ao Evaldo Vicente, diretor deste matutino, pela acolhida quando procurado para o lançamento desta seção, bem como ao Erich Vallim Vicente, com quem os redatores da página mantêm contato direto, e ao diagramador Camilo, sempre atento à melhor visualização na distribuição das matérias. Aos leitores que manifestam com muito carinho a simpatia por este trabalho.

Por fim, fica a promessa da continuidade de Prosa & Verso e o interesse em oferecer um espaço literário que alcance os objetivos propostos.”

 

PROSA

Milésima edição da Prosa&Verso

Ivana Maria França de Negri

São vinte anos de muita prosa e muita poesia! Escritores daqui da terrinha e também os consagrados desfilaram em nossas páginas, assim como estreantes e aspirantes a poetas.

Ludovico da Silva, idealizador do projeto,  faleceu em 2015 aos 86 anos. Ficou à frente da edição por quinze anos e tinha muito orgulho da página que agora tem em seu lugar a escritora Carmen Pilotto, minha nova parceira.

Não podemos deixar de homenagear Ludovico, fundador do GOLP em 1989. São trinta anos do grupo desde a fundação, quando veio a Piracicaba o escritor Ignácio Loyola Brandão para dar uma palestra e sugeriu a criação de um grupo para escrever textos. Quando o GOLP completou vinte anos, Loyola esteve na cidade para as comemorações e pôde rever alguns remanescentes do grupo inicial. Alguns faleceram, outros chegaram depois, uns mudaram-se de cidade, é a roda da vida sempre girando.

Um texto é apenas um texto, mas quando ele cai como uma luva no momento de alguém, e esse alguém se emociona, e até guarda o recorte para reler outras vezes, cumpre sua missão de levar encanto, magia e induzir à reflexão.

Parabéns para todos nós pelos vinte anos da página, pelas mil edições e pelos trinta anos do GOLP!

Viva a Prosa&Verso!!!

 

ESPAÇO DE ENCONTROS

Vitor Pires Vencovsky

(Presidente da Academia Piracicabana de Letras)

Hoje estamos comemorando a publicação da milésima edição da Prosa & Verso. Por 20 anos, de forma ininterrupta, foi publicada semanalmente na A Tribuna Piracicabana. É um privilégio para os piracicabanos poder contar com este espaço tão especial em que escritores e leitores se encontram.

O que dizer daqueles que deram os primeiros passos? Com certeza, seus sonhos se tornaram realidade e superaram todas as expectativas. A viagem até o milésimo número mostra, também, os resultados positivos do trabalho incansável de uma equipe compromissada e dedicada, formada por editores, organizadores, escritores, diagramadores, impressores e distribuidores.

Por mil semanas, Prosa & Verso bateu às portas dos lares piracicabanos e entregou muitas mensagens através de vários gêneros literários. Sua regularidade ajudou a divulgar e desenvolver a literatura, assim como contribuiu na troca de experiências entre todos àqueles que admiram a arte da escrita. Também foi o espaço de registro e divulgação de diversos eventos realizados na área literária em Piracicaba.

Mas a viagem da Prosa & Verso não para neste dia. O número mil chegou apenas para uma reflexão sobre os próximos passos em direção ao futuro. Parabéns, Prosa & Verso! Parabéns, Piracicaba!

 

Mil Edições, Uma Vida!

Leda Coletti

Dizemos que o tempo passa, mas na realidade somos nós que passamos!

Pensar que participei da primeira edição de “Prosa & Verso”! Sinto-me honrada e muito feliz. Sim, tenho muito orgulho por fazer parte das entidades literárias piracicabanas e participar de suas atividades. Uma delas é poder me comunicar pela escrita, por meio de poesias, trovas e pequenos textos.

GRATIDÃO é a palavra mais adequada para ser expressa nessa sua milésima edição Se não houvesse a garra e persistência dos colegas escritores que tão bem a coordenam e a generosidade dos proprietários de Jornais da cidade, os piracicabanos e principalmente os escritores interessados em Arte Literária, não teriam a possibilidade de expor suas ideias, que além de impressas são ilustradas e muitas vezes coloridas.

Ingressando nos grupos literários em 1992, tive oportunidade de participar das páginas “Palavras & Versos”, coordenada pela saudosa Maria Cecília Bonachella e depois “Letras & Rimas”, por Ivana M. França de Negri, pelo Jornal de Piracicaba. Na 1ª.década do novo século, graças ao profícuo patrocínio do colega acadêmico da APL, Evaldo Vicente, proprietário do Jornal A Tribuna, nós que gostamos de escrever continuamos  com esse privilégio na página” Prosa & Verso”, inicialmente coordenada pelo saudoso escritor Ludovico da Silva e Ivana M. França de Negri. E atualmente por esta, e a escritora Carmen Piloto,  ambas  aprimorando-a cada vez mais.

Na primeira poesia enviada à “Prosa & Verso”, com o tema  “Revoada”, falo das andorinhas que “em voos farfalhantes passaram, encantaram, mas não ficaram”. Penso que, com as palavras escritas também algumas não ficam, mas as que permanecem têm um cantinho especial no nosso coração e, estas nos são brindadas por todos que escrevem nessa página.

Estamos todos em festa e gratos aos que a fizeram chegar na milésima edição..

Mais uma vez, obrigada caras amigas Ivana e Carmen, por nos proporcionarem leituras tão valiosas e agradáveis pela Coluna Literária “Prosa & Verso”.

 

POETAS E POETISAS

*Lino Vitti – Príncipe dos Poetas Piracicabanos(in memoriam)

Meu principado – o da poesia – é grande, é generoso, é belo e divino! Há 65 anos,  iniciei meus passos poéticos por esse flóreo caminho da arte do verso e da rima, do ritmo e da estrofe ( ou do verso sem rima, sem ritmo (métrica) e sem estrofe como desejam muitos e muitas). Que senda maravilhosa, alegre, colorida e feliz é essa pela qual palmilham os passos aéreos dos poetas e poetisas!

A poesia, a verdadeira poesia, não cansa, não arma barraca em meio da jornada da vida, porque o Belo jamais fenece, o caminho não finda nunca, os sonhos prosseguem porque não se desfazem ao vir da crueza lucífera de um sol de verão, ou enregelam à chegada da frigidez hibernal dos anos tardios.

Não é digno de ser chamado poeta, ou poetisa, aquele ou aquela que abandonam, covardemente, o encanto dessa manifestação inamovível do coração humano. Aquele que cansou de rimar, cansou de versejar, cansou de sonetar. Em questões de poesia não há aposentadoria condigna, não há salário-mínimo aceitável, não há sentar-se à beira de um barranco estradeiro para ver a caravana dos ideais, dos sonhos, dos encantamentos, passarem em demanda daquilo que é eterno, pois eterna é a poesia!

Vejo que Piracicaba é proprietária dessa caravana cultural da poesia, pois imensa é a legião daqueles que se dedicam à arte das musas poéticas. Basta ver quantos e quantos livros por igual número de versejadores, como aves pipilantes, abrem voo por estes céus literários! Vejo eu, por exemplo, quão numerosos livros enfeitam as prateleiras da minha humilde estante, onde pousaram, vindos de inúmeros lançamentos com que nos brindaram poetas e poetisas, parecendo haverem encontrado por estas plagas culturais, – sabiás sonoros de Gonçalvez Dias – o seu laranjal predileto para desfiar seus cantos poéticos e nobres! Estaria me exprimindo bem, caríssimo trinador de versos e rimas, Ésio Pezatto( um dos mais brilhantes poetas de nosso convívio da arte de versejar ) com os tropos literários aí deixados pela minha velha veia descritiva? Se não, coloque  você  a cachola artística a funcionar e descubra, formas e figuras mais adequadas a retratar essa plêiade versejante que honra, dignifica, encanta e genializa a nossa terra!

Tão ricos somos de poetas e poetisas (vêem vocês que insisto na aplicação do termo poetisa, porque não admito se denomine uma representante do mundo feminino com um esdrúxulo vocábulo masculino, quando é tão lindo e sonoro o “poetisa”!), tão ricos somos de poetas e poetisas – repito – que nosso diários jornalísticos nos reservam largos espaços de, às vezes,  páginas inteiras semanais para a divulgação da poesia piracicabana. Temos até mesmo um mensário, estufado de páginas, do Clube dos Escritores que nos cumula de poesia, doméstica e forasteira, tudo numa demonstração que Piracicaba mantém a tradição encantadora de sustentar a arte intelectual da poesia, tão importante na vida da humanidade que gregos e latinos – povos mais cultos da história – mantinham deuses e deusas protetores e incentivadores dessa sublime manifestação do  espírito.

Ouso afirmar que sem ela – a Poesia –  este escrevinhador não seria nada na vida, pois tudo quanto de bom e indispensável a uma existência condigna e feliz, floresceu provindo desse envolvimento em que me engajaram a beleza das estrofes, das rimas, mormente do Soneto, cultivados com amor e dedicação, entregues com carinho e prazer à leitura e cultura de milhares de pessoas que sentem no âmago de si mesmas, muitas vezes ocultas, outras tantas manifestas, as maravilhas de ler e entender a vida como uma imensa Poesia.

Poesia – disse eu dias atrás a um nobre jornalista entrevistador – é a coisa mais pura que ainda temos. Ela constitui algo indestrutível pois está arraigada no coração do povo, vai  caminhando com ao povo, pois a ele pertencem sonetos, poemas, baladas, acrósticos, os quais os nossos súditos piracicabanos lhe entregam semanalmente, através do Jornal de Piracicaba  e Tribuna de Piracicaba, graças  a um trabalho especial de amor à arte, não só pelos diretores dos jornais, mas pela formação excelsa  intelectual de Ivana M.F. de Negri e Ludovico Silva, responsáveis por essa divulgação que poucas cidades possuem.

Avante, então, meus súditos poéticos! Nada de esmorecer diante das exigências dos anos e das dificuldades do viver. Relegar os sonhos, esquecer os encantos desse fantástico mundo em que vivem os bardos, não é de espíritos empreendedores e lutadores.

Que vençam os poemas, que cantem as estrofes, que tilintem as rimas!

*Lino Vitti foi colaborador por dezenas de anos dos jornais de Piracicaba, autor de diversos livros de contos e poesias e agraciado pela APL com o título de “Príncipe dos Poetas Piracicabanos

 

Edição 1000
Cassio Camilo Almeida de Negri

Mil, a unidade seguida de três zeros.

Três zeros anteriores ao um, é a volta à unidade.

Unidade é aquilo que une, agrega, transforma todos em um.

Isso foi o que aconteceu com a página literária Prosa&Verso, uniu os escritores e poetas através de suas prosas e poesias todos os sábados no jornal A Tribuna Piracicabana.

Todo sétimo dia da semana, com certeza, muitas almas leitoras abriam as folhas desse diário para ler os textos.

Graças a uma trindade, Ludovico, Ivana e Evaldo, foi concretizado um sonho no sétimo dia da semana.

Que outros zeros sejam colocados, seguidos ao um. Vida longa à Prosa&Verso!

 

MIL EDIÇÕES
Elisabete Bortolin

Prosa e Verso Mil edições e mil e uma edição daqui a pouco, um marco literário importante para os escritores de Piracicaba. Parabéns a quem incansavelmente cuidou, publicou e generosamente divulgou a beleza do pensador piracicabano. A todos os poetas, escritores e pessoas voltadas à arte de escrever que fizeram sua parte colaborando com a visão poética e literária de nossa cidade recebam o galardão de missão cumprida mas não acabada somente aniversariada. Que Deus faça espargir milhões de criações literárias em seu sensível olhar e amoroso coração.

 

AMOR…… MIL VEZES AMOR
Valdiza Maria Capranico (Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba)

No mundo de hoje, onde o que mais se lê, e se vê nas publicações diárias, semanais, são notícias ruins, vergonhosas, humilhantes….. eis que surge uma publicação que alegra a alma de quem a lê.

A página PROSA E VERSO, publicada semanalmente pela TRIBUNA, É UM ALENTO A TODOS NÓS.

Todos os sábados , e, pela milésima vez, agora, nessa página vemos, lemos, incansáveis multiplicadores de amor…..

São gotas de ternura que vão entrando em nossos corações e nossas mentes. São como os medicamentos, pequenas porções, que, ao longo do tempo, vão quebrando a barreira gelada que envolve muitos corações, ainda…… Mas, como os medicamentos, chegará um dia que farão belo efeito…..

Que dizer dos cronistas, poetas, que participam desse trabalho?

Cada um, a seu modo, suas inspirações tentam quebrar barreiras geladas daqueles que ainda não entenderam que só o AMOR constrói…..

Desejamos que essas gotas de amor, ternura continuem pingando, especialmente nas mentes, nos corações daquele que ainda não acreditam nos milagres que elas realmente produzem.

Essas gotas, também são, como disse Jesus, o sal da Terra – sem elas, a vida ficaria completamente sem graça, sem sentido……

E, aqueles que se propuseram a nos proporcionar tão maravilhoso espaço na TRIBUNA, os queridos amigos Evaldo Vicente, editor, e, Carmem Pilotto e Ivana Negri, coordenadoras, que todas as semanas nos presenteiam como essa maravilhosa página – nossa gratidão, nosso carinho.

Que “PROSA E VERSO” viva mais mil vezes…. distribuindo, como sempre, amor e ternura a todos os leitores.

 

POESIA

Mil vezes PROSA E VERSO!
João Baptista de Souza Negreiros Athayde

Quanta prosa, quanto verso

a nuançar de suavidades as manhãs de sábado

a deixar os domingos ressacados de doçuras!

Proezas semanais da varinha de condão

de um par de sonhadoras

a distribuir  as bênçãos da Arte Literária

como fossem milagres buscando reformar o mundo

Mil vezes PROSA E VERSO!

E por contrafortes dessas proezas

um outro sonhador cheio de crenças

sustentadas no Tempo por seus brios

e por seu brilho.

Um banho de idealismo argamassando as páginas

de um jornal

como fosse também para reformar o mundo.

Mil vezes PROSA E VERSO!

Que venham muitas mais que outras tantas!

 

GRATIDÃO
Elda Nympha Cobra Silveira

Quando a noite se despede…
Cumprimentando o amanhã,
Toda alma do universo,
Se desperta, agradecendo ao Criador.

As nuvens passando,
Em versos rimando,
As belezas e suas cores,
Tingindo céus, onde for…
Vão despertando amores
Nos mares, na terra, no ar
Espalha tanta energia

Que aprendi a amar!

 

SINA
Carmen Pilotto

Em soturnos silêncios

Nossas palavras farfalham

Ora são bálsamos curativos

Ora são lanças perfurantes

 

E vamos pelas trilhas do destino

Ao sabor do próprio desatino

Mil vezes versos que brotam aos borbotões

E violam, explicitamente, os códigos da rotina

Instigando o desejo de prosseguir

 

Sou Prometeu bicado diariamente pela águia

Cujo sonho sempre se regenera

Ou o pastor Jacob que a Labão serviu

Como um escrevinhador a serviço da poesia

 

Dia após dia serei poeta

Mergulhado em universo paralelo

Dos que coabitam realidades virtuais

Na busca de melhor enfrentar os dias…

 

AOS POETAS
André Bueno Oliveira

Cantai Simônides da Grécia antiga,

um belo ditirambo ao som da lira;

louvai a vossa amada, a doce Lira,

e a linda Dorotéia, amante e amiga!

Àquela meretriz que vos admira,

fazei também romântica cantiga:

– à pobre Tálata, de amor mendiga,

que acende  – da paixão –  a vossa pira.

 

Mas eu, Anacreonte em minha Atenas,

não louvarei as mulheres apenas

por serem elas minhas prediletas.

 

Quero brindar  erguendo minha taça,

e desejar a todos dessa raça:

Saúde… poetisas e poetas!

 

Motemas
Irineu Volpato

outra vez outra tarde noitou-se

tempestando três horas e Roma

…sempre a eterna cidade

 

infeliz do que não viu suas esperanças

humildes acreditarem na vida

 

será que voltei mais gente depois

de tendo apalpado tudo que

em viagem trombei ?

 

não fica emburrada minha alma que

hoje completo outro ano e já velho

bastante de não me estragar a alegria

 

EVENTOS SINGULARES

Luciano Verdade

 

A maior tempestade de verão

que vi em minha terra

foi no inverno.

A maior cheia do riacho

que corre lá embaixo da colina

onde ficava minha casa

foi na estação seca.

A maior dor que já sofri

foi por conta das pessoas

que eu mais amei.

Esse é o mundo em que vivi.

Essa é a vida que eu sei.

 

SINCERIDADE
Madalena Tricânico

Brinco  com  as  palavras e  com  as  pessoas

Como  se  a  vida  fosse  um  tabuleiro  de  xadrez

Envolvo-as  no  que  elas  têm

De  mais  puro  e  sincero…

Seus  sentimentos.

 

Hoje  estou  triste,  muito  triste,

Não  tem  sol  e  sinto-me  órfã.

Cai  uma  chuva  mansinha  e

Renova  os  mais  puros  sentimentos.

 

Sou  a  poesia,  a  trova,

O  poema  e  o  soneto…

Sou  as  palavras  que

Tanto  você  quer  ouvir

Para  viver  um  grande  amor.

 

Corpo
Marisa Bueloni

Meu corpo se toca como harpa

As cordas tocadas num harpejo

Puxando da ponta espinho e farpa

Soprando nas chagas com um beijo

 

Meu corpo na pauta da agonia

Compasso binário de solfejo

Meu corpo lutando noite e dia

A luta da cura que ensejo

 

O bálsamo do spray nas minhas costas

É cânfora no vale e nas encostas

Perfume da nota em pentagrama

 

A música é dor regida ao estro

É látego na palma de um maestro

É corpo que vive, sofre e ama

 

MIL EDIÇÕES!
Ésio Antonio Pezzato

Mil sonhos, mil alegrias,

E milhares de poesias.

Mil contos, mil fantasias

Sempre de forma oportuna.

– Glória piracicabana!-

E Ludo, Carmen e Ivana

Deram à Terra da Cana

Essa gloriosa fortuna.

 

Com grande e eterno respaldo

Essa cana de bom caldo,

Nosso amigo Evaldo

Preencheu essa lacuna

E com modos mais diversos

Coloriu com nossos versos,

Os distantes universos

Nas páginas da TRIBUNA

 

PRIMAVERA EM FESTA
Em tempo de Ipês Amarelos
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins

O ouro brilha, se oferece gratuito,

se espalha com  majestosa  elegância!

Sua generosidade, “coração materno”

abraça ruas e calçadas, pátios e jardins.

Invade sonhos, consagra corações,

ameniza cansaços  teimosos,

floresce os passos de pés inábeis,

contabiliza créditos de esperança!

Estes, no auge da despedida,

esverdeiam almas inertes e resgatam

do âmago de cada ser,

a alegria de viver, de renascer!

O singelo e cativante desfile  floral,

resgata a harmonia adormecida

e faz vibrar o dom da emoção.

É o pulsar de um novo coração!

 

 PALAVRA DO ESCRITOR

“Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é que alguém acredite nele!”

Autor desconhecido

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima