Coluna Psicopontocom – Edição do dia 15/02/2020

O Significado do Corpo (III)

Já falei do temor à castração na constituição do corpo masculino. Tal temor o perseguirá por toda a vida promovendo ações defensivas ou de contra-ataque ao recalque com sintomas que caracterizam a obsessão. Nos filmes ‘Melhor Impossível’ e ‘Uma Linda Mulher’ vê-se claramente como se dá o encontro com o outro sexo.

Lacan diz que ‘a mulher é a melhor analista quando não é louca’. De fato põe em xeque e derruba as certezas do obsessivo (predominante nos homens) com seu jeito enigmático de ser.

A mulher não se marca pela identificação. Não se pode agregar as mulheres em um grupo e se referir a elas. Isso levou Lacan ao aforisma ‘a mulher não existe’. O coletivo é possível aos homens, e isso faz muita diferença para a construção da representação do corpo fálico no masculino e no feminino.

Na histeria (predominantemente feminina) a tentativa de recuperar ou reparar essa perda (recalque) muitas vezes se dá pela demanda de amor. Freud (1933) já havia dito que essa demanda na mulher é muito maior quando comparada ao homem. Embora a sociedade tenha sofrido profundas mudanças, isso ainda é muito evidente quando a mulher ocupa a posição de objeto de desejo do outro. E muitas vezes tal demanda se expressa projetivamente, como acontece quando a mulher dirige e demanda de seu cônjuge a mesma carga de afeto que deseja receber. Amamos, pois desejamos ser amados.

 

CITAÇÃO!
“Contra todas as provas de seus sentidos, um homem que se ache enamorado declara que ‘eu’ e ‘tu’ são um só, e está preparado para se conduzir como se isso constituísse um fato”. (Sigmund Freud)

São vários problemas juntos. Não tenho uma boa relação com minha mãe; incompreensível e difícil de dialogar. Mas o pior é que eu e minha melhor amiga gostamos do mesmo cara, um grande amigo e ele sabe. Outro amigo diz que ele está dividido entre nós. Sinto que ele gosta de mim, mas tenho medo de ser só uma ilusão. Está um clima muito ruim entre mim e minha amiga e nem estamos nos falando muito. Quero muito ele, mas não quero machucá-la. Estou sem rumo!

F., 14.

 

Em sua idade temos muitos sonhos. A dificuldade de relacionamento com sua mãe é um obstáculo para encontrar uma solução com sua amiga e os problemas de comunicação com ela podem se reproduzir. Vocês duas já conversaram sobre o assunto? Ou isso está intocável? Dependendo da maturidade de vocês, colocar cartas na mesa torna as coisas mais fáceis de resolver. Se não é falado tudo fica no ar, criando esse clima desagradável e até difícil de sustentar.

Quanto à sua situação com o paquera, isso está mais na mão dele que de vocês. De nada adianta apostar tudo e ele pender para o lado dela. No entanto ele pode escolher a você e então deverá marcar seu desejo. Mas ficar entre as duas é cômodo lançando mão de uma ou outra quando achar conveniente.

Em lugar de criar uma situação com sua amiga poderá se surpreender com a reação que um afastamento dele, mesmo temporário, pode gerar. Só podemos desejar o que não temos, mas ele sabe que lhe tem.

 

Leitor: Opine, critique, sugira temas nesse espaço. Use até 200 toques. Sigilo absoluto.
Blog:  http://pedrogobett.blogspot.com/
Facebook: fb.com/psicopontocom
E-mail: [email protected]
Correspondência: Praça José Bonifácio, 799
13.400-340 – Piracicaba/SP – (19) 99497-9430

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima