Grupo de trabalho avança na proteção em rede à mulher

Próxima reunião mensal será no dia 17 de março – Crédito: Davi Negri

 

A Rede de Atendimento e Proteção à Mulher, sob coordenação da Procuradoria Especial da Mulher, da Câmara de Vereadores de Piracicaba – integrada por Nancy Thame (PSDB) e Adriana Cristina Sgrigneiro Nunes, a Coronel Adriana (CID) – e o Conselho Municipal da Mulher, sob a presidência de Carolina Angelelli, representada no último dia 4, por Rosália Ometto, da Catedral Metodista de Piracicaba, se reuniu no segundo andar do prédio anexo. Na oportunidade, houve deliberação sobre a finalização dos fluxogramas que norteiam entidades, no encaminhamento de procedimentos protetivos em casos de violência contra as mulheres, além de avaliação de diretrizes sobre a Semana da Mulher, que acontece no início do mês de março.

 

A próxima reunião mensal da Rede de Atendimento está marcada para o dia 17 de março. Na pauta da reunião de hoje foi passado informes sobre a elaboração da Cartilha da Rede de Atendimento e Proteção à Mulher; além de avaliações sobre os temas a serem debatidos na Semana da Mulher 2020, que marcará o início do mês de março.

 

Na quarta-feira à noite, dia 4 de março, provavelmente no salão nobre “Helly de Campos Melges” deverá acontecer a realização de mesa redonda para avaliar a temática sobre a violência obstétrica, em temática sugerida pela vereadora Coronel Adriana. Marcando o Dia Internacional da Mulher, no dia 6 de março, às 19h30, também no salão nobre da Câmara acontece uma reunião solene.

 

Já no dia 9 de março, à tarde, nas dependências da Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), Faculdade de Administração, acontece o debate com a temática sobre o protagonismo feminino da mulher na política. A tribuna popular, da Câmara de Vereadores, na Semana da Mulher, também deve ser ocupada por quatro a seis oradoras, que usarão este espaço democrático do legislativo local.

 

Na coordenação dos trabalhos, a vereadora Nancy Thame finalizou a reunião com destaque à importância da atuação do grupo de trabalho, em prol da mulher, em situação de violência, com atuação em várias etapas, tendo como fruto o surgimento de instumentalizações, como o projeto de lei sobre as diretrizes de atuação, a elaboração dos fluxogramas, onde agora o momento é de passar estas informações para todas as mulheres. “A ideia é que tenhamos pelos menos dois produtos, uma cartilha menor, bastante objetiva e outra com um pouco mais de informações, sendo que tudo ainda está na fase de elaboração”, disse a parlamentar.

 

Nancy Thame também falou das etapas de ajustes, a exemplo da apresentação desta segunda-feira, que contou com as explanações de Marilda Soares, com reflexos nos levantamentos de outras pesquisadoras, a exemplo de Heliani Berlato, da Esalq/USP, onde serão aferidos os textos finais, o que resultará no acolhimento de todas as opiniões, na redação final da Cartilha. A expectativa é que esta fase de trabalho leve pelo menos até um mês para ficar pronta a Cartilha, visando a sua confecção e distribuição ao passar pelo consentimento de todos que integram a Rede de Proteção.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima